Tell your visitors your story. Add catchy text to describe what you do, and what you have to offer. The right words can inspire and intrigue your audience, so they’re ready to take action on your site. To start telling your story, double click or click Edit Text.

Blog

Dum Spiro Spero.

Dum spiro spero means "While I breathe, I hope" in Latin and is a modern paraphrase of ideas

that survive in two ancient writers, Theocritus and Cicero.

It is a motto of various places, families, organizations, and MINE.

Lidando com os Traumas que a Violência Doméstica causa nas Crianças

Updated: Mar 26, 2019



Como se não bastasse a violência doméstica existir em muitos casamentos, muitos acontecem em frente às crianças, que testemunham, observam, e internalizam o que viram, consciente ou inconscientemente, trazendo problemas psicológicos mais tarde e impedindo a construção de relacionamentos saudáveis.

Como reconhecer as reações das crianças quando reagem à violência doméstica?

A curto prazo

As reações variam de criança para criança, algumas são mais afetadas que outras, e isso pode depender da idade, trauma anterior, temperamento, educação ou mesmo da proximidade da criança com o ato em si.

Reações típicas de crianças que testemunharam violência podem incluir:

Hiperatividade repentina. A criança pode estar nervosa, assustada, pulando, deixando coisas caírem, etc.

Transferência da experiência. Como ela tem aquela imagem da violência em sua mente, ela pode ter pesadelos, fazer o que viu com bonecas, brinquedos, etc. Medo. A criança evita situações, pessoas, e tudo que a lembre do que testemunhou.

Choque. Ela pode parecer quieta, congelada, não querer conversar, esconder-se, fechar-se.

Hipersensibilidade. A criança pode reagir a locais, cheiros, gostos, sons, palavras, emoções e tudo o que a fizer lembrar de uma forma densa e dramática, além de repentina.

Medo de dormir. Ela pode ter medo de dormir porque está tendo pesadelos.

A longo prazo

Ansiedade e depressão. É menos comum, a não ser que ela continuamente testemunhe a violência.

Tornar-se um bully. É comprovado que 60% das crianças que praticam o bullying, testemunharam ou foram vítimas de violência doméstica, e tendem a repetir o que viram.

Uso de drogas. Bem como vícios de todo e qualquer tipo.

Comportamento autodestrutivo e suicida.

Impulsividade, como por exemplo, começar a vida sexual bem cedo ou gostar do perigo.

Problemas crônicos de saúde como asma, e outros psicossomáticos como gastrite, úlcera, dor de cabeça, fobias.

Baixa autoestima, necessidade de agradar e ter atenção, tornando-se muitas vezes vítima de mais violência doméstica.

Comportamento criminoso e violento, inclusive repetindo a violência doméstica. Baixo desempenho acadêmico.

Autoflagelação, que pode levar a suicídio ou cortar-se, excesso de tatuagens e piercings.

Como agir

As crianças são resilientes se receberem o tipo correto de ajuda e o suporte da família e comunidade é essencial. Para isso, é crucial que a criança seja cercada de pessoas que cuidem dela com amor, paciência, positividade, que lhes deem a segurança de que aquele tipo de acontecimento não se repetirá. Isso pode incluir pai ou mãe que não seja o agressor, um mentor, professor, ou mesmo uma outra pessoa.

As crianças, mesmo adolescentes, que aceitam o suporte, podem voltar a desenvolver-se intelectualmente e socialmente, além de evoluir os talentos e voltar a ter uma vida normal, embora sentimentos de tristeza, baixa autoestima e aceitação sejam difíceis de desaparecer.

Os pais, muitas vezes, por não saber o que dizer, não dizem nada e deixam para o tempo a responsabilidade de apagar as más memórias. Isso além de não ocorrer pode ser ainda pior, e mais tarde a criança pode vir a pensar e sentir que seus sentimentos não são importantes.

O que dizer

Abrace-a. Pense antes de falar e seja claro que não é culpa da criança o fato de o agressor agir como agiu. É responsabilidade e escolha dele.

Diga que ela não é responsável por esta situação nem por resolvê-la.

Mostre que você se preocupa e ela é importante para você. Seja direto, pergunte sobre o que viu e sentiu, para que ela tenha chance de colocar para fora. Mostre que você realmente se importa.

Esteja presente para ouvi-la, dizer o que pensa e como se sente. E ouça. Isso é sempre necessário, deixar a criança segura que você sempre estará lá para ela quando precisar.

"Perdoe-me que você teve que ver ou ouvir isso. Violência não é correto nem é o modo como pessoas devem se relacionar". Esta é talvez a mais importante de todas, pois é necessário explicar a criança que isso não é o normal.

A criança também precisa aprender a perdoar. O agressor tem problemas que precisa resolver com ajuda. Não há problema em amar a pessoa que comete a violência.

O que fazer

O principal é não brigar em frente às crianças. De nenhuma forma. Se já o fez, pare agora e faça metas de não repetir a situação. Se for uma situação que você não tem controle, é sua obrigação tomar uma atitude para retirar a criança do convívio do agressor.

A responsabilidade dos adultos, principalmente dos pais, é manter os filhos e crianças em segurança. Normalmente os serviços sociais, ao receberem denúncias ou não, acabam algumas vezes retirando crianças de famílias onde há violência doméstica e nem o agressor ou o agredido se importa com a segurança das crianças.

Mais importante sobre o que fazer é realmente fazer algo. Algo que ajude a manter a criança a salvo, longe da violência.

É importante ensinar as crianças a como se protegerem, como buscar ajuda, como ligar para a polícia.

Peça ajuda de familiares, amigos, igrejas, tutores, professores. O perigo de não cuidar de uma criança traumatizada pela violência deve ser maior que a vergonha de assumi-la. Peça ajuda aos serviços sociais que fornecem cartilhas, atendimento e até terapia se necessário.

A vítima precisa se proteger e proteger as crianças que testemunharam a violência. A criança internaliza tudo o que vê, sente e ouve. “O ferido reconhece o ferido” (Nora Roberts). Se ela convive com isso, crescerá pensando que isso é como um relacionamento normal é, e agirá ou como o agressor, ou como a vítima.

Violência é um problema de adultos, e expor uma criança a ele é cometer um outro tipo de crime. É nosso dever e responsabilidade ajudar a formar adultos melhores, não apenas recipientes de nossos infortúnios.


  • Amazon Author
  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
© C. A. AYRES 2000-2019 - All Rights Reserved