Tell your visitors your story. Add catchy text to describe what you do, and what you have to offer. The right words can inspire and intrigue your audience, so they’re ready to take action on your site. To start telling your story, double click or click Edit Text.

Blog

Dum Spiro Spero.

Dum spiro spero means "While I breathe, I hope" in Latin and is a modern paraphrase of ideas

that survive in two ancient writers, Theocritus and Cicero.

It is a motto of various places, families, organizations, and MINE.

As mentiras de Satanás e seus anticristos

Updated: Mar 26, 2019



Os principais escritores do Livro de Mórmon disseram que estavam escrevendo para o nosso dia. Em Alma 30, Mórmon dá um longo relato de um homem que ele chama de "AntiCristo" (Alma 30: 6), incluindo um resumo detalhado de seus falsos ensinamentos: Corior.

A metafísica é o ramo da filosofia que trata da natureza da realidade. Ele tenta responder a pergunta "O que é real?" A questão de saber se existe um Deus e um mundo espiritual além do mundo natural que conhecemos é uma questão metafísica. Embora hoje usemos frequentemente a palavra sobrenatural em um sentido mais limitado, originalmente se referia a um mundo mais alto ou acima, aquele que vemos e experimentamos com nossos sentidos físicos.

A segunda área de filosofia que consideramos é a axiologia. Axiologia é o estudo da ética e dos valores. Apresenta questões como "O que é bom?" "O que é ético?" "O que é certo e errado?"

Um terceiro ramo da filosofia é epistemologia. A epistemologia é o estudo de como sabemos o que é real ou verdadeiro. Existem numerosos sistemas epistemológicos. Alguns se aplicam diretamente ao que Corior estava ensinando os nefitas.

O autoritarismo é o sistema pelo qual a verdade é aprendida com aqueles que são autoridades ou especialistas. Confiamos em homens ou mulheres que aprenderam, como pais, professores, líderes religiosos e consultores, para nos dar verdade nas suas áreas de especialização.

O racionalismo refere-se a ganhar a verdade através da lógica. No racionalismo, perguntamos: "Faz sentido? É lógico? "

O pragmatismo determina se algo funciona. O mundo dos negócios é muitas vezes orientado pragmaticamente, com foco em se um novo produto ou estratégia de marketing realmente produz os resultados desejados. Se funcionar, é válido; se não, é rejeitado.

O empirismo usa observação ou experiência pessoal para chegar à verdade. Este conhecimento é recolhido principalmente através dos sentidos - através do que se vê, toca, ouve, cheira e possui gostos.

Em qual desses sistemas os Santos dos Últimos Dias se encaixam? A resposta é: tudo! Mas também confiamos em outro modo de conhecer a verdade: através da revelação divina. Neste método, a verdade vem diretamente de Deus ou indiretamente através de seus profetas.

Quer reconheçamos ou não, cada pessoa detém uma posição metafísica, confia em pelo menos um sistema de epistemologia e possui uma axiologia pessoal ou conjunto de valores e ética. Além disso, essas três áreas da nossa própria filosofia estão interrelacionadas. Nossa metafísica (nossa visão da realidade) influencia nossa epistemologia (a maneira como ganhamos conhecimento), e as duas determinam nossa axiologia (nossos valores).

Suponhamos, por exemplo, que uma pessoa como Corior rejeite a ideia de que existe uma dimensão espiritual para a vida. Essa posição metafísica determina automaticamente o que a pessoa aceitará como verdadeira. A Revelação é rejeitada porque a realidade de Deus é rejeitada. Decidir o que é bom e ruim, portanto, não dependerá de nenhum conjunto de leis dadas por Deus ou medo de consequências eternas.

Esta foi a mentira fundamental de Corior.

Como qualquer sistema filosófico, a doutrina de Corior tinha aspectos metafísicos, epistemológicos e axiológicos. Juntos, eles permitiram convencer muitos a rejeitar os valores tradicionais ensinados pela Igreja.

Por exemplo, o argumento de Corior de que "você não pode conhecer as coisas que não vê" (Alma 30:15) revela sua epistemologia - seu sistema de determinação da verdade - essencialmente empírica ou baseada na observação e uso dos sentidos. No entanto, o apóstolo Paulo diz: "A fé é ... a evidência de coisas não vistas" (Hebreus 11: 1). A postura de Corior, no entanto, é: "Se você não pode ver isso, você não pode conhecê-lo ". Ele rejeita a profecia porque a profecia trata do futuro, e você não pode "ver" nem experimentar o futuro com os sentidos físicos. Consequentemente, toda conversa de um futuro Salvador e redenção deve ser rejeitada por princípio.

Há uma série de corolários, ou inferências, que decorrem da filosofia fundamental de Corior. O primeiro deles é revelado quando Corior é preso e levado perante a Gidona, o sumo sacerdote. Gidona exige saber porque, se Corior estiver correto no que ele disse, as pessoas encontram tanta alegria em sua experiência religiosa. (Veja Alma 30:22.)

A resposta de Corior é algo assim (veja Alma 30: 23-28): Há duas explicações para o porquê as pessoas acreditam na religião. Primeiro, eles foram doutrinados por seus pais (as "tradições tolas" dos pais), e segundo, eles foram enganados por líderes religiosos cujos motivos são ganhos pessoais - dinheiro e/ou poder. Além disso, a filosofia de Corior - expressada em seus ensinamentos ao povo - é que essa doutrinação traz anormalidades psicológicas - "desarranjos" ou uma "mente frenética". (Alma 30:16.) Como não há Deus e como a religião é uma farsa, conclui Corior, podemos viver como quisermos sem medo de consequências eternas.

Gidona decide então que o caso de Corior merece toda a atenção de Alma, e Corior é levado até Alma em Zarahemla. Não demora a Alma determinar a fonte final dos ensinamentos de Corior. "Eis que eu sei que tu acreditas, mas estás possuído por um espírito mentiroso e afastaste o Espírito de Deus, de maneira que não tem lugar em ti; mas o diabo tem poder sobre ti e te conduz, inventando subterfúgios para destruir os filhos de Deus." (Alma 30:42). Mais tarde, depois que Corior é tocado, ele confirma as palavras de Alma. "Mas eis que o diabo me enganou, porque me apareceu na forma de um anjo e disse-me: Vai e regenera este povo, porque todos se perderam, seguindo um Deus desconhecido. E ele disse-me: Deus não existe; sim, e ensinou-me o que eu deveria dizer. E eu ensinei as suas palavras; e ensinei-as porque eram agradáveis à mente carnal; e ensinei-as até obter muito êxito, tanto assim que eu realmente acreditei que eram verdadeiras; e por essa razão opus-me à verdade, até trazer sobre mim esta grande maldição." (Alma 30:53).

Por que Satanás se importaria com coisas como nossa visão da metafísica e epistemologia? Ele nos conhece! Ele sabe se ele puder moldar nossos pontos de vista sobre essas questões, essas visões fornecem uma base para, como Alma declara, "destruir os filhos de Deus" (Alma 30:42). A filosofia que Satanás ensinou a Corior é um sistema racional. Não é verdade, mas é racional! Se aceitarmos a suposição de que não há uma realidade supernatural, então, logicamente que não há Deus. Se for esse o caso, o homem é o supremo. Também que, se não há realidades eternas, não há conseqüências eternas para as ações do homem. O raciocínio de Corior é que o próprio homem determina o que é certo e errado, não um conjunto de regras estabelecidas por um grupo de falsos líderes religiosos que afirmam falar por um Deus que não existe.

Este é o centro da doutrina de Corior e o que vemos hoje através da mídia, obras no cinema e na televisão, ídolos humanos, e até mesmo partidos políticos através de carismáticos líderes que buscam a eleição aos desavisados eleitores. Ao pregar suas falsas filosofias, Corior realiza os projetos de Satanás como vemos muitos repitindo a mesma falácia hoje em dia. Observe a descrição de Mórmon sobre o resultado final de seus ensinamentos: "E assim lhes pregava, desviando o coração de muitos, fazendo com que levantassem a cabeça em sua iniquidade; sim, induzindo muitas mulheres e também homens a cometerem devassidão, dizendo-lhes que quando o homem morria, tudo se acabava." (Alma 30:18)

O presidente Ezra Taft Benson ensinou que "o Livro de Mórmon expõe os inimigos de Cristo". Isso confunde falsas doutrinas e estabelece disputa. (Ver 2 Nefi 3:12.) Fortifica os humildes seguidores de Cristo contra os maus projetos, estratégias e doutrinas do diabo em nossos dias. O tipo de apóstatas no Livro de Mórmon é semelhante ao tipo que temos hoje. Deus, com sua infinita presciência, moldou o Livro de Mórmon para que possamos ver o erro e saber como combater os falsos conceitos educacionais, políticos, religiosos e filosóficos de nosso tempo." (Ensign, Jan. 1988, p.3). )

Hoje, o mundo está permeado de filosofias semelhantes as ensinadas por Corior. Embora tenhamos o conselho de retirar sabedoria dos bons livros através de nossa Regra de Fé, essa sabedoria precisa vir acompanhada do Espírito para reconhecermos o que é bom e o que não é. Nós lemos essa filosofias de Corior, ou seja, de Satanás, nos mesmos livros que retiramos sabedoria utilizável, os vemos defendidos nos filmes e na televisão e ouvimos ensinados em salas de aula e às vezes nas igrejas do nosso tempo. Observe apenas alguns exemplos extraídos de escritos modernos:

"Nós acreditamos que as religiões dogmáticas ou autoritárias tradicionais que colocam revelação, Deus, ritual ou credo acima das necessidades e experiências humanas fazem um desserviço para a espécie humana. ... As religiões tradicionais muitas vezes oferecem consolo aos humanos, mas, com tanta frequência, impedem os humanos de se ajudar ou experimentar suas potencialidades completas. ... Muitas vezes, as religiões tradicionais encorajam a dependência e não a independência ". ("Humanist Manifesto II ", The Humanist, Sept./Oct. 1973, pp. 5-6; compare a Alma 30:14, 16, 27-28.)

"Não podemos descobrir nenhum propósito divino ou providência para a espécie humana. ... Nenhuma deidade nos salvará; devemos nos salvar. As promessas da salvação imortal ou do medo da condenação eterna são ilusórias e prejudiciais. Eles distraem os seres humanos das preocupações atuais, da auto-realização e da retificação das injustiças sociais. "(Mesma referência acima; compare a Alma 30:18, 23-24, 27-28.)

"A ciência afirma que a espécie humana é um surgimento de forças evolutivas naturais. Tanto quanto sabemos, a personalidade total é uma função do organismo biológico transacionando em um contexto social e cultural "(Mesma referência acima; compare a Alma 30:17).

"Se devemos seguir um princípio moral ou não, dependeremos sempre da situação. ... Em algumas situações, o amor não casado poderia ser infinitamente mais moral do que o amor casado. Mentir poderia ser mais cristão do que dizer a verdade. ... Roubar poderia ser melhor do que respeitar a propriedade privada. ... Nenhuma ação é boa ou direta de si mesma. Depende se dói ou ajuda. ... Não existem princípios morais normativos que sejam intrinsecamente válidos ou universalmente obrigatórios. Nós não podemos absolutizar as normas da conduta humana. "(Ética da Situação: Verdadeiro ou Falso? Um Diálogo entre Joseph Fletcher e John Warwick Montgomery, Minneapolis, Dimension Books, 1972, capa traseira. Compare a Alma 30:17.)

Aqui vemos evidências claras da inspiração de Mórmon para nos dar uma conta completa de Corior e seus ensinamentos. Os ensinamentos de Corior são doutrina antiga e, no entanto, são ideias tão modernas como as impressoras de alta velocidade e as antenas parabólicas de hoje. E infelizmente, muitos membros caem nas armadilhas porque simplesmente não conhecem, ou não atentam para, as palavras dos profetas contidas no Livro de Mórmon.

Então, como lidamos com essas falsas filosofias?

Felizmente, Mórmon não nos deu somente as doutrinas de Corior, mas também nos deu uma resposta inspirada. Este é o valor real do porque ele decidiu relatar os acontecimentos entre Alma e Corior no Livro de Mormon.

A primeira coisa a notar é que Alma não entra no debate filosófico com Corior – e então porque deveríamos entrar em debates virtuais repletos de ofensa e assumindo razão com avessos? Ele não se permite ser puxado para o nível que Corior tenta definir como área de debate. Há uma ótima lição nisso. Combater falsas filosofias com revelação e verdadeira doutrina, e não debate acadêmico. Somos aconselhados pelas autoridades e esclarecer duvidas com cortesia, mas nunca entrar em debates inconsequentes.

Em segundo lugar, Alma expõe Corior pelo que ele é. Com efeito, Alma diz a Corior: "Tu sabes que não nos saciamos com o trabalho deste povo, ... e dizes tu que pregamos a este povo para obter lucro, quando tu próprio sabes que nada recebemos" (O diálogo completo em Alma 40:31-60).

Tudo se resume a uma conclusão irrefutável: Corior é um mentiroso. Mas há mais para a resposta de Alma do que isso no restante do diálogo. Alma toma a própria filosofia de Corior e o pega numa armadilha de sua própria criação. Corior ensina que podemos saber apenas o que podemos ver. (Veja Alma 30:15.) Mas quando questionado, Corior nega categoricamente que ele acredita que existe um deus. Alma então pergunta: "E agora, que provas tens de que Deus não existe ou de que o Cristo não virá? Afirmo-te que nenhuma tens, a não ser a tua própria palavra." (Alma 30:40.)

Alma mostrou a Corior que ele não é consistente em seu próprio pensamento. Se realmente podemos conhecer apenas aquelas coisas pelas quais temos evidências empíricas, então não podemos ensinar que não existe Deus, a menos que possamos provar essa crença. E Corior não tinha provas.

Não é de admirar que Mórmon tenha escolhido detalhar a história de Corior e ensinou uma ótima lição para os nossos dias. Por mais inteligente que seja, como as filosofias de um anticristo podem parecer perfeitas, elas não são verdadeiras. Eles estão cheias de contradições, erros e falsas suposições. O evangelho, por outro lado, é a verdade que tem resistido ao teste dos séculos, a verdade que pode resistir ao exame racional, a verdade pragmática e prática, a verdade que pode ser confirmada através da experiência pessoal. Um crente não precisa se desculpar pelas suas crenças, pois essas crenças resistem a cada exame minuciosamente mais eficiente do que as doutrinas de Satanás.

Há outra lição que Mórmon desenha da história de Corior. Depois que Corior é confundido por Alma, ele exige um sinal antes de acreditar. Corior recebe seu sinal - ele é impressionado, e evidentemente também é surdo (Veja Alma 30:51). Nesse estado pitiável, Corior recorre a implorar por sua subsistência. Ele finalmente está entre um povo chamado Zoramitas, e lá ele é " foi atropelado e pisoteado até a morte.” (Alma 30:59.)

Mórmon resume a lição que ele quer que aprendamos: " E assim vemos o fim daquele que perverte os caminhos do Senhor; e assim vemos também que o diabo não amparará seus filhos no último dia, mas arrasta-os rapidamente para o inferno. "(Alma 30:60.) Como tudo isso é diferente de Deus e suas relações com seus filhos!

Outra lição a ser aprendida com Corior é encontrada no capítulo seguinte, depois que Mórmon termina de contar a história de Corior. Em Alma 31, Mórmon começa o relato de um esforço missionário entre os Zoramitas. Alma, dois de seus filhos, e os filhos de Mosias vão para a terra de Antionum para tentar recuperar os apóstatas Zoramitas. Recordando que foram os Zoramitas que mataram Corior, note as seguintes frases de Alma 31 que descrevem suas crenças:

- Eles " haviam cometido grandes erros." (Alma 31: 9).

- Eles rejeitaram as tradições que eles sentiram serem " transmitidas pela infantilidade de seus pais." (Alma 31:16.)

- Eles não queriam ser " desencaminhados pelas tolas tradições de nossos irmãos que os forçam a crer em Cristo." (Alma 31:17).

- Eles se recusaram a " seu coração fosse atraído pela crença em coisas futuras, das quais nada sabiam." (Alma 31:22).

Tudo isso soa familiar. De fato. Os Zoramitas representam o produto final da própria filosofia de Corior. Quão irônico que Corior deveria encontrar sua morte nas mãos de um povo que praticava o que ele pregava!

Os ensinamentos de Corior foram baseados em mentiras. De fato, o próprio Corior confessou isso quando escreveu, depois de ter sido capturado, que "sempre soube que havia um deus" (Alma 30:52). No entanto, Corior tentou ensinar às pessoas que a felicidade pode ser encontrada independente de Deus e o evangelho. O Livro de Mórmon mostra que isso não é possível.

A filosofia que Corior ensinou, tão difundida entre nós hoje, leva a um beco sem saída. Este é, sem dúvida, porque, sob o poder da inspiração, Mórmon deu sua descrição detalhada de Corior e seus falsos ensinamentos - para que hoje possamos distinguir mais facilmente entre os que são a favor ou contra Cristo, entre a vida eterna e a morte espiritual.

Baseado e adaptado para o português a partir do Livro de Mórmon e de An Anti-Christ in the Book of Mormon, de Gerald N. Lund.

#LivrodeMórmon #Anticristo #JesusCristo #GuerranosCéus

12 views
  • Amazon Author
  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
© C. A. AYRES 2000-2019 - All Rights Reserved