Em algum lugar a Melissa anda



“Keith e Teri moravam na mesma rua que nós. Eles tiveram quatro filhos perto de idade em relação ao nosso próprio. Uma vez, quando a nossa filha, Sally, fugiu de casa, foi para a casa de Keith e Teri para viver com sua filha Jodi. O nosso filho Dale brincava com os seus meninos, Jason e Justin. Na verdade, Justin, foi o único que encontrou a ponta de uma flecha perto da nossa porta de trás um dia.

De qualquer forma, durante o tempo em que eu estava trabalhando no monumento SUD dedicado às mulheres em Nauvoo, Illinois, uma das esculturas que propus foi de uma mãe e um pai a ensinar uma criança a andar. Keith e Teri tinham acabado de ter um novo bebê, Melissa. Perguntei-lhes se eles me serviriam de modelo para a escultura e eles consentiram. Trabalhamos juntos por várias semanas no modelo pequeno e, embora Melissa ainda fosse muito pequena para caminhar, nós achamos que ela estaria tomando seus primeiros passos mais ou menos na mesma época que eu começaria a trabalhar na escultura em tamanho natural.

Mas não foi assim que funcionou. Nos próximos meses, Keith e Teri começaram a notar que Melissa não estava se desenvolvendo normalmente. Levaram-na para testes e descobriram que ela tinha paralisia cerebral. Eles foram informados de que ela nunca poderia andar e foram aconselhados a apenas levá-la para casa e amá-la porque ela provavelmente não viveria muito tempo.

Na época, aqueles de nós que estavam perto de Keith e Teri sentimos tremenda empatia e tentamos apoiá-los o melhor que pudéssemos. Mas tenho certeza que nenhum de nós poderia compreender totalmente o que eles estavam passando.

Desnecessário dizer que eu me senti muito desconfortável com a escultura que havíamos trabalhado em conjunto. A esta altura, eu havia me remoído sobre um título para a escultura, embora eu não houvesse dito nada a eles sobre isso. Eu queria chamá-la, "A Melissa Anda".

Mas, de repente, a imagem estava repleta de uma ironia muito dolorosa.

Embora Keith e Teri estivessem passando por lutas emocionais profundas, sua atitude pelo menos externa era esperançosa e determinada. Eles não iriam deixar que a condição de Melissa os fizessem pensar nela como diferente de qualquer um de seus outros filhos. E, embora o futuro estivesse cheio de incertezas e dificuldades, mesmo que eles não pudessem imaginar na época, a única solução era ser o mais positivo possível.

Eu acho que, na verdade, a atitude deles é o que levou-me a abordar a situação do jeito que fiz. Quando chegou a hora de trabalhar na escultura maior, eu os pedi que viessem ao estúdio e trouxessem Melissa com eles. Nesta época, ela havia sido equipada com cintas e aparelhos em volta de seu corpo para que a pudesse manter a cabeça erguida. Seus músculos estavam se tornando duro e atrofiados, e a comunidade se revezava todos os dias para ajudar Teri com a fisioterapia.

O ambiente estava repleto com uma delicadeza terrível, e embora eu estivesse hesitante sobre isso, eu fui em frente e disse-lhes o título que eu gostaria que a escultura tivesse. Tal como acontece com as outras esculturas para cada projeto, eu sabia que a Sociedade de Socorro gostaria de ter um título mais universal, e esta escultura tornou-se conhecida como "No Circulo da Família."

Mas, eu disse a Keith e Teri, que para mim, seria sempre "A Melissa Anda".

Isso foi há 19 anos, muito mais anos que Keith e Teri esperavam ter com Melissa, que em todo esse tempo, nunca andou. Por um tempo, porém, ela teve uma cadeira especial que lhe permitia quase tocar os pés no chão, e que a prendia com a face para baixo e lhe segurava pelo estômago. Com os pés mal tocando o chão, ela conseguia correr com as crianças ao redor da garagem, seu rosto brilhando com um sorriso exuberante que se tornou sua marca registrada.

Esta é também a história de uma mãe, que, apesar da desesperança da condição de Melissa, literalmente, deu sua vida por ela, e de um pai e irmãos e irmãs que estavam dispostos a tomar o segundo lugar por esse compromisso.

Missy contagiava a todos que encontrava com sua luz e espírito.

Na semana passada, quando ela morreu, um raio brilhante de luz desvaneceu-se lentamente nos braços de sua mãe. Ainda assim, na medida em que mais escuro de momentos na vida de sua mãe, gostaria de saber se uma nova faísca também poderia ter sido acesa no coração de Teri, o início de um brilho de uma nova vida e paz além da beleza trágica de Melissa.

Melissa faleceu em outubro de 1995.

Em outro reino, Melissa foi finalmente capaz de esticar as pernas. Livre do cativeiro de um corpo que a manteve cativa e resiliente pelas lutas de seus anos mortais, retribuiu o amor que recebeu de outros amando-lhes cem vezes mais, e está finalmente aberta a novos horizontes.

Em algum lugar, ao menos, a Melissa anda.”

Dennis Smith

(Escultor do monumento “No Círculo da Família”, colocado no jardim em frente ao Templo de Provo City Center dedicado em 2016, construído a partir do Tabernáculo de Provo após o incêndio que o destruiu parcialmente, Provo, Utah.)

Tradução livre do artigo: http://www.deseretnews.com/…/SOMEWHERE-AT-LAST-MELISSA-WALK…

Foto por C.A. Ayres Photo

#LDS #historia #family #Amor #filhos

0 views
  • Amazon Author
  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
© C. A. AYRES 2000-2020 - All Rights Reserved